Xaxado: expressão da história e da cultura nordestina

Dança Popular brasileira originada nas regiões do Agreste e do Sertão pernambucano, muito praticada no passado pelos cangaceiros da região, em celebração às suas vitórias.

História

Há controvérsias sobre a origem do xaxado. Alguns pesquisadores afirmam que é uma dança originária do alto Sertão de Pernambuco (regiões do Pajeú e Moxotó), outros que ela tem sua origem em Portugal e alguns outros ainda dizem que sua origem é indígena.

 

O xaxado foi difundido como uma dança de guerra e entretenimento pelos cangaceiros, notoriamente do bando de Lampião, no início dos anos 1920, em Vila Bela, atual Serra Talhada. Na época, tornou-se popular em todos os bandos de cangaceiros espalhados pelos sertões nordestinos.

Era uma dança exclusivamente masculina, por isso nunca foi considerada uma dança de salão, mesmo porque naquela época ainda não havia mulheres no cangaço. Faziam da arma a dama. Dançavam em fila indiana, o da frente, sempre o chefe do grupo, puxava os versos cantados e o restante do bando respondia em coro, com letras de insulto aos inimigos, lamentando mortes de companheiros ou enaltecendo suas aventuras e façanhas.

A dança que nasceu nas brenhas da caatinga nordestina surgiu como uma alternativa para aliviar o tédio e as agruras dos cangaceiros que fervilhavam pelas matas secas, espinhosas e poeirentas da região mais árida do país.

Lampião, antes de ter seu próprio bando, foi recruta do bando de Senhor Pereira, e nesses anos talvez tenha aprendido o melhor da sua arte de cangaceiro. A partir de 1922, quando Senhor Pereira deixa o Sertão e vai embora para Goiás, Lampião assume o comando do bando, passando de um simples recruta a comandante do grupo. 

A origem do nome xaxado vem de um determinado “ritual” realizado pelos agricultores naquela época. Sua ligação com o nome vem através da palavra sachar ou xaxar, costumes da plantação de feijão de arranca (típico feijão da região do sertão nordestino) onde acontecia todo um processo especifico para plantar e colher esse legume. Os movimentos realizados dessa plantação têm uma ligação com os rituais indígenas, isso vem através da miscigenação de raças, os movimentos realizados pelos agricultores são bem próximos com o da dança, sendo conhecidos como movimento base da dança xaxado: base, corta jaca e batido.

A dança era executada com batidas ritmadas com a coronha do rifle sobre o chão. O mesmo rifle servia de figura (parceira feminina), tendo em vista que a dança era executada, inicialmente, somente pelos homens. Só a partir de 1930, a figura feminina entra no Cangaço. A situação mudaria um pouco depois com a inclusão de Maria Bonita e outras mulheres no bando de Lampião.

Por conta dessa divulgação, o xaxado é muito ligado ao cangaço, e mesmo inovações na dança acabaram por surgir dentro dos vários grupos cangaceiros.

Assim, hoje em dia o xaxado é executado aos pares. Há também uma versão em que a expressão Xaxado surgiu vem de uma atividade do sertanejo, que é xaxar (vindo de sachar – cavar a terra com o sacho, capinar). Os agricultores xaxam o feijão juntando a terra com uma enxada pequena no pé do caule do broto com poucos dias de nascido. Para retirar da bagem/vagem o caroço (feijão) depois de colhida na roça, é feito com um pau batendo no feijão. Esse movimento chama-se xaxar.

Verificando os movimentos dos pés de quem está manuseando uma enxada, limpando mato na roça ou xaxando, é semelhante aos de quem está dançando o xaxado básico.

A dança do xaxado é vista uma dança rica em sua cultura e extremamente folclórica que tem seus estilos naturais e sem alterações. Por conta da música ser agressiva e satírica, Câmara Cascudo considerou o xaxado com uma variante do parraxaxá – canto de insulto dos cangaceiros, executados nos intervalos das descargas de seus fuzis contra a polícia. O rifle na época substituía a mulher, como dizia o cantor e compositor Luiz Gonzaga, um dos grandes divulgadores do xaxado. O rifle é a dama.

O Xaxado nunca se tornou uma legítima dança de salão. Só Luis Gonzaga conseguiu sua introdução no rádio, na tevê o no teatro. Por ocasiões de festas populares, sobretudo no Nordeste, grupos apresentam espetáculos de Xaxado atualmente. Entretanto, o Xaxado é considerado mais um forte objeto da cultura do que propriamente um ritmo, no sentido restrito. E apesar da luta de muitos grupos de danças folclóricas, o Xaxado hoje em dia está perdendo suas características. O Xaxado representa uma das únicas heranças culturais deixadas pelo Cangaço, movimento tipicamente Nordestino e parte do nosso Folclore.

A Dança

O Xaxado é dançado em uma fila indiana, sapateando um atrás do outro. O Xaxado poderia ser dançado da maneira mais singela com o canto de quem tirasse o verso na frente, respondido por todos. Apesar de ser uma dança muito simples, o Xaxado tem algumas variações de meados de 1926 pelo grupo do Cangaceiro Medalha: vinham dançando dois grupos, até que ficando frente a frente, os dois a frente da fila batiam as alpercatas.

A coreografia era executada com os pés rentes ao chão, ou seja, com passos arrastados, evitando-se fazer muito barulho, tendo em vista que seus executores viviam abrigados em locais ignorados pela polícia, mas perseguidos por ela. A execução era feita em fila indiana, enquanto os dançantes carregavam todos os seus apetrechos: armas e mantimentos. Alguns capangas ficavam postos em sentinelas para evitar surpresas de ataques policiais.

Originalmente a estrutura básica do xaxado é da seguinte forma: avança o pé direito em três e quatro movimentos laterais e puxa o pé esquerdo, num rápido e deslizado sapateado. Os passos estão relacionados com gestos de guerra. São graciosos, porém firmes. 
 

Indumentária

As turbas que vestiam roupas de mescla e couro e fugiam continuamente das perseguições policiais, não podiam gozar de plena liberdade nem se divertirem à vontade nas cidades e vilarejos.

As roupas algumas vezes eram azul para que as pessoas os confundissem com a volante, em outros momentos eram em tons marrons e cáqui, de couro, para que se protegessem dos espinhos da caatinga do sertão e sempre acompanhadas do rifle e da alpercata (calçado) do mesmo material. 
 

Ritmo

O ritmo, no entanto, é uma variante do baião que os bandos de facínoras dançavam no meio da floresta, festejando alguma vitória ou por outros motivos.

Basicamente o ritmo era marcado pelo sapateado no chão com o som da alpercata no solo e a batida na argola do rifle winchester, bastaria isso para o Xaxado, mas, é evidente que em alguns casos, em casa de pessoas amigas, havendo um sanfoneiro e um zabunbeiro, um fole de oito baixos ou até mesmo uma gaita de beicho, poderia incrementar o Xaxado concedendo a ele uma característica mais viva, mais ativa musicalmente falando.

Originalmente o xaxado não possuía qualquer acompanhamento, apenas uma forma predominante vocal, com o som das alpercatas arrastadas no chão, fazendo às vezes de instrumento de percussão, ditando o ritmo da dança. 
 

Como dançar Xaxado

A Pisada do Sertão já ensinou Xaxado para milhares de crianças e adolescentes. Abaixo você confere vídeos que ensinam passos da dança para diferentes faixas-etárias.

Idade: 5-7 anos

Idade: 7-12 anos

Idade: 12+

Instrutor

Cássio Cassimiro

Educador físico, coordenador e educador de dança da Pisada do Sertão.

Doe e apoie nossas pessoas

Atendemos crianças, adolescentes, jovens e suas famílias em situação de vulnerabilidade social e extrema pobreza, com a missão de promover seu desenvolvimento integral por meio da cultura nordestina contribuindo para a transformação social do território sertanejo.

Com esse valor conseguimos ajudar uma família inteira por cinco dias.

R$ 30

Com esse valor conseguimos ajudar uma família inteira por dez dias.

R$ 60

Com esse valor conseguimos ajudar uma família inteira por duas semanas.

R$ 100

Quem somos

A Pisada do Sertão atua desde 2004 no sertão paraibano atendendo crianças, adolescentes e jovens e suas famílias em situação de vulnerabilidade social e extrema pobreza, com a missão de promover seu desenvolvimento integral por meio da cultura nordestina contribuindo para a transformação social do território sertanejo.

Apoio

Contato

Telefone: (83) 99837-9891

CNPJ: 08.842.657/0001-08
Representante legal:  Alicia Chagas dos Santos
Endereço: Poço de José de Moura, Sertão da Paraíba, CEP 58908-000

Links importantes

Desenvolvido por vvv. make the web simple